sexta-feira, 1 de março de 2013

Reclamando menos e fazendo mais

Estava reparando em como a gente reclama o tempo inteiro. Todo mundo. É um hábito tão natural que a gente nem percebe.

O tempo: esse grande gerador
de reclamações.
Reclamações são os mais habituais ganchos para conversa. Encontra alguém no elevador? Reclama do calor (ou do frio, ou da chuva, ou do tempo seco). Encontra com os colegas no trabalho? Reclama do sono, da preguiça, do chefe ou do fim de semana que não chega.

As reclamações têm seu lugar. São boas para iniciar conversas, criam laços (as pessoas sentem empatia) e servem como desabafo. Mas acho que a gente reclama demais (e o minimalismo não combina com "demais"). Dia desses me peguei reclamando do calor, mas quando fui pensar vi que nem estava achando o calor ruim, era mais o hábito de reclamar mesmo e para preencher o silêncio na sala.

Então me propus um desafio (adoro!): quando eu pensar em reclamar de algo, tenho que pensar em como resolver e não falar nada. Está calor? Ligo o ventilador, tomo água gelada, penso em usar uma roupa mais fresca no dia seguinte... E fico calada. Estou com sono? Tomo café, me programo para dormir mais cedo na próxima noite, penso se tem algo me atrapalhando a dormir... E fico calada.

Só vou falar se for para pedir ajuda ou se minha ação afetar os outros. Exemplo: "Está calor, né? Posso ligar o ar condicionado?".

Se for para iniciar conversa, ao invés de reclamar penso em um tema sobre o qual realmente quero conversar. Exemplos: "E o jogo do Galo ontem, hein?" (Sim. Eu adoro futebol, e conversar sobre). "Vi o filme tal esse final de semana. Achei o final meio chato". E por aí vai.

Acho que vou aprender mais sobre assuntos diversos e tirar um pouco de pessimismo da vida. Vamos ver como eu me sinto...

13 comentários:

  1. Adorei o seu post! :) Vou tentar fazer o mesmo, pois também tenho esse hábito e faço-o sem pensar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou, Ana! Esse hábito é bem comum mesmo. É quase automático. Depois conta pra gente o que você achou e como se sentiu, sim?

      Excluir
  2. Taí uma coisa que eu sou pós-doutorada: reclamar, fazer mimimi. O esporte favorito dos paulistanos. É quase um vício. Tem que ter muita força de vontade pra acabar com isso. Eu também queria parar de reclamar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha! Todo mundo reclama, Ashen Lady. Ou quase todo mundo. Acho que seria legal tentar prestar mais atenção às reclamações, porque eu acho que elas funcionam como desabafo também, mas nem sempre. Muitas vezes é por hábito mesmo. Eu vou tentar reparar nos próximos dias e venho contar aqui como me senti. Me conta também como se sentiu :)

      Excluir
  3. Interessante o post!!! O ato de parar de reclamar é justamente uma das minhas metas de 2013. Todo ano estabeleço metas escritas. E no comecinho do ano, ao iniciar a tarefa de não reclamar mais que me dei conta como reclamava. Se torna muito automático mesmo e esquecemos ou nem sequer pensamos em praticar assuntos mais agradáveis. O bacana dessa história e que com o tempo as pessoas que convivem com você começam a pensar em outros assuntos também para conversar. Outro ponto da minha lista de comportamentos é parar de falar mal das pessoas, desde aqueles comentariosinhos considerados irrelevantes, pois assim como a questão de reclamar, esta também vai se tornando automática. Por exemplo, no trabalho muitas vezes o assunto do café gira em torno de falar de algumas pessoas. Assim, desde o início do ano, também tenho me mobilizado para ter assuntos mais produtivos. E posso garantir que hoje os assuntos mais produtivos é que estão se tornando mais automáticos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa ideia. Parar de falar mal dos outros, mesmo que seja por comentários bobos, deve ser ainda mais positivo do que parar de reclamar. Pensando aqui, falar mal é muito nocivo. Vou reparar nisso também. Obrigada pela dica!

      Excluir
    2. Se falar mal é nocivo imagina invadir a privacidade de alguem?!

      Excluir
  4. ADOREI O SEU POST! Conheço uma pessoa que adora reclamar de tudo,vive de cara amarrada (rs),invade a privacidade dos outros (um horror isso), eh mau humorado e ranzinza. Vou indicar seu post pra ele! :o)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou!
      Não seria melhor conversar com essa pessoa reclamona ou se afastar?
      Um abraço!

      Excluir
  5. Hahaha, eu li um livro chamado " Pare de reclamar e concentre-se nas coisas boas".O autor tinha ido até na Oprah e propunha um sistema com uma pulseirinha de plastico, em que a pessoa, a cada vez que reclamasse, tinha que mudar a pulseirinha de mão.

    O livro aumentou incrivelmente minha auto-percepção e a percepção de como reclamamos para " puxar papo" ou obter aprovação...afinal, tem poucos riscos.Quem há de não concordar que está mesmo calor qdo todos estão suando em bicas, ou que está frio demais qdo todo mundo está encapotado? Por isso, é o tipo de papo de elevador, que não compromete ninguém...mas desde então, tenho evitado bastante.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehe... Esse sistema dele é legal porque te faz ficar consciente do ato, não é? Eu li um livro uma vez que chamava "Tornar-se presente", que tinha um tanto de exercícios pra aflorar a nossa percepção e consciência. Vou ver se acho esse livro aqui...
      Beijo!

      Excluir